Panorama Regional de Segurança Alimentar e Nutrição na América Latina: Desafios e Números Atuais

Published on novembro 16, 2023, 5:16 pm

O Panorama Regional de Segurança Alimentar e Nutrição da América Latina, divulgado pela ONU (Organização das Nações Unidas), traz informações importantes sobre a fome, insegurança alimentar, desnutrição em todas as formas e acesso a uma alimentação saudável.

A pandemia da COVID-19, a crise climática, a guerra na Ucrânia, além da desaceleração econômica, o aumento da inflação dos alimentos e a desigualdade de renda tiveram um impacto significativo nos números regionais.

De acordo com o Panorama, em 2021, cerca de 3,14 bilhões de pessoas no mundo todo não puderam pagar por uma alimentação saudável. Isso representa 42,2% da população mundial. No Brasil, o índice de pessoas sem acesso à uma alimentação saudável foi de 22,4%. Em países como Peru e Equador esse número variou entre 20% e 26%, enquanto no Chile e Uruguai foi bem menor, com apenas 3,5% e 5,2% da população afetada respectivamente.

Felizmente houve reduções na prevalência da fome e da insegurança alimentar moderada ou grave na América do Sul entre os anos de 2021 e 2022.

A insegurança alimentar moderada ou grave afeta mais as mulheres do que os homens. Também é importante ressaltar que a incidência dessa insegurança aumenta conforme diminui o nível de urbanização. As mulheres enfrentam maior insegurança alimentar do que os homens. Apesar de ter havido alguma redução em 2022, a diferença regional ainda é maior do que a diferença global. Além disso, nas áreas rurais e periurbanas é maior a prevalência de insegurança alimentar em relação aos homens.

A Argentina teve um terço da sua população afetada pela insegurança alimentar moderada ou grave. Já o Chile e Uruguai apresentaram menor prevalência, com 18,1% e 15,2%, respectivamente.

No que diz respeito ao sobrepeso em crianças menores de cinco anos, houve aumento no Equador (0,9 ponto percentual) e no Paraguai (0,8 ponto percentual) entre os anos de 2020 e 2022. Peru e Uruguai tiveram aumento de 0,7 ponto percentual, enquanto na Argentina e Brasil esse aumento foi de 0,6 ponto percentual.

Para acessar o relatório completo, clique neste link: [link do relatório].

Fonte: ONU

Os dados apresentados são preocupantes e mostram a importância de buscar soluções para garantir o acesso à uma alimentação saudável para todos. É fundamental investir em políticas públicas voltadas à segurança alimentar e nutricional para que as pessoas possam ter uma vida mais saudável. Afinal, uma dieta equilibrada é essencial para o bem-estar físico e mental.

vih.santoss@gmail.com